Ano se inicia com mudanças na ortografia - Português na Rede

Ano se inicia com mudanças na ortografia

Primeiro de janeiro de 2009 marca, além do novo ano, o início do período de transição para a nova ortografia. Desse dia até o último de 2012, todos no Brasil terão que se adequar às novas regras, pois, pelo cronograma de implantação do acordo, em janeiro de 2013 toda a produção escrita em língua portuguesa terá de seguir a nova ortografia.

Muitos, como grandes jornais e revistas do nosso país, estarão aderindo ao acordo logo no início. E é claro que haverá os equívocos, pois sair de uma ortografia usada há décadas para entrar noutra não é simples. Mas essa etapa de equívocos será necessária, pois só praticando as novas regras é que vamos assimilá-las.


Para você que ainda não está a par das mudanças provocadas pelo acordo ortográfico, segue um resumo delas:


As mudanças do acordo ortográfico (português do Brasil)

1. O retorno das letras “k”, “w” e “y”


É na verdade um retorno oficial, pois elas de fato nunca deixaram de fazer parte do nosso alfabeto. Basta consultar nossos principais dicionários e ver que todos registram verbetes com “k”, “w” e “y”.


E não há nenhuma mudança quanto ao emprego delas, que continuam a ser usadas:


a) na grafia de símbolos de unidades de medida: km (quilômetro), kg (quilograma), W (watt);


b) na grafia de palavras e nomes estrangeiros (e seus derivados): show, playboy, playground, yin, yang, Washington, William, Kennedy, Kafka, kafkiano, kardecista.


2. O fim do trema

O trema deixa de ser usado. Ele, porém, permanece nos nomes próprios estrangeiros e em seus derivados: Hübner, hübnerita.

3. Novas regras de acentuação

- As palavras paroxítonas com os ditongos abertos “ei” e "oi" perdem o acento. Como é: idéia, geléia, bóia, apóie, apóiem, apóio (verbo), asteróide, heróico. Como será: ideia, geleia, boia, apoie, apoiem, apoio, asteroide, heroico. Atenção: permanece o acento das palavras terminadas em “éis”, “éu(s)” e “ói(s)”: papéis, céu, troféus, dói, heróis.

- O acento do “i” e do “u” tônicos precedidos de ditongo, em palavras paroxítonas, deixa de ser usado. Como é: baiúca, feiúra, cauíla. Como será: baiuca, feiura, cauila.

Observação: O acento permanece em palavras oxítonas: Piauí, tuiuiú.

- O circunflexo das palavras terminadas “oo” e “eem” deixa de ser usado: voo, abençoo, creem, deem, leem e veem.

- O acento diferencial de “pára” (verbo), “pêlo”, “pélo”, “pêra” e “pólo” desaparece. O correto passa a ser “para”, “pelo”, “pelo”, “pera” e “polo”.



Atenção: o acento de “pôr” e “pôde” permanece.


- O acento agudo de verbos como “apaziguar”, “averiguar”, “arguir” e “redarguir” deixa de ser usado. Como é: apazigúe, averigúem, argúem, redargúi. Como será:




a) Alguns verbos terminados em guar, quar e quir, como "aguar", "averiguar", "apaziguar", "desaguar", "enxaguar", "obliquar", "delinquir", admitem duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e do imperativo. Nesse caso, duas grafias serão aceitas: se a tonicidade recair no "u", não haverá acento: aguo, enxague, delinquem; se a tonicidade recair nas vogais "a" ou "i" da sílaba anterior, elas serão acentuadas: águo, enxágue, delínquem.




b) O “u” tônico de arguir e redarguir deixará de ser acentuado nas formas (tu) arguis/ redarguis, (ele) argui/ redargui, (eles) arguem/ redarguem.


4. Novas regras do hífen

- Prefixos e falsos prefixos se ligam com hífen a palavras iniciadas por “h”: anti-higiênico, anti-histórico, macro-história, mini-hotel, proto-história, sobre-humano, sub-hepático, sub-humano, super-homem, ultra-humano.



Algumas exceções – palavras formadas pelos prefixos des-, in- e re-: desumano, desumidificar, inábil, inumano, reidratar, reidratação, reabilitar.


- Se o prefixo termina por vogal e o segundo elemento começa pela mesma vogal, usa-se o hífen: anti-ibérico, anti-imperialista, anti-inflacionário, anti-inflamatório, auto-observação, contra-atacar, contra-ataque, micro-ondas, micro-ônibus, micro-organismo, para-atleta, semi-internato, semi-interno.



Exceções – os prefixos “co” e “re”: coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar, coocupante, rescrever, reedição, reeleito, reestruturar, reenviar.


- Se o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento, não se usa o hífen: aeroespacial, agroindustrial, antiaéreo, antieducativo, autoaprendizagem, autoescola, autoestrada, autoinstrução, coautor, coedição, extraescolar, infraestrutura, plurianual.

- Se o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante diferente de “r” ou “s”, não se usa o hífen: anteprojeto, antipedagógico, autopeça, autoproteção, coprodução, geopolítica, microcomputador, pseudomédico, semicírculo, semideus, seminovo, ultramoderno.

- Se o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por “r” ou “s”, além de não haver hífen, dobram-se essas letras: antirrábico, antirracismo, antirreligioso, antirrugas, antissocial, biorritmo, contrarregra, contrassenso, cosseno, infrassom, georreferência, microssistema, minissaia, microrregião, multissecular, neorrealismo, neossimbolista, semirreta, ultrarresistente, ultrassom.

- Se o primeiro elemento termina por consoante igual à que inicia o segundo, usa-se o hífen: hiper-requintado, inter-racial, inter-regional, mal-limpo, sub-bibliotecário, super-racista, super-reacionário, super-resistente, super-romântico.

- Se o prefixo termina em consoante diferente da que inicia o segundo elemento, não se usa o hífen: hipermercado, intermunicipal, superproteção, subchefe, subsede.



- O prefixo “sub-” se liga com hífen a “b”, “h” e “r”: sub-bloco, sub-humano, sub-hepático, sub-região, sub-reino.


- Os prefixos “circum-” e “pan-” se ligam com hífen a vogal, “h”, “m” e “n”: circum-escolar, circum-navegação, pan-americano, pan-mágico, pan-negritude.


- Se o prefixo termina em consoante e o segundo elemento começa por vogal, não se usa o hífen: hiperacidez, hiperativo, interescolar, interestadual, interestelar, interestudantil, superamigo, superaquecimento, supereconômico, superexigente, superinteressante, superotimismo.

- Os prefixos “ex-”, “além-”, “aquém-”, “recém-”, “sem-”, “pós-”, “pré-”,“pró-” e “vice-” ligam-se com hífen ao elemento seguinte: além-mar, aquém-mar, ex-aluno, ex-diretor, ex-prefeito, ex-presidente, pós-graduação, pré-história, pré-vestibular, pró-europeu, pró-reforma, recém-casado, recém-nascido, sem-terra, sem-teto, vice-governador, vice-presidente.

-Usa-se o hífen com os sufixos de origem tupi-guarani “-açu”, “-guaçu” e “-mirim” quando o primeiro elemento termina em vogal acentuada graficamente ou em tônica nasal: amoré-guaçu, anajá-mirim, capim-açu, Ceará-Mirim, paraná-mirim.



-Não se usa o hífen em palavras que perderam a noção de composição: girassol, madressilva, mandachuva, paraquedas, paraquedista, pontapé.


Observação: Como o texto do acordo é muito vago, considere, neste primeiro momento, apenas essas palavras como as que “perderam a noção de composição”.


- A regra de “bem” com hífen não muda, continuaremos grafando “bem-humorado”, “bem-sucedido”, “bem-visto”. No entanto, algumas palavras perderão o hífen e ficarão unidas ao termo seguinte com o “m” virando “n”. Ei-las: benfeito, benquerer e benquerido.

........................................................................

FELIZ ANO-NOVO!
Nesta última postagem do ano, queremos agradecer a todos os amigos que acompanharam este blog, que procurou fazer jus à proposta de ser um tira-dúvidas de português na internet.

Português na Rede, com os seus quase 10 mil acessos mensais, é uma prestação de serviço consolidada e tem orgulho de dizer que você, amigo leitor, é o grande responsável por isso.

Obrigado e um 2009 de paz, saúde e muitas alegrias!

20 comentários:

Loan disse...

haha último de 2012? Que ironia...!

Feliz Ano Novo! Parabéns pelo blog, e a dedicação!

Thayanne disse...

É... A mudança não será tão fácil de ser entendida. Será um pouco melhor desenvolvida para aqueles que ainda estão em anos escolares, para os que terminaram têm que dar uma recliclagem, principalmente praticar o ato da leitura de Jornais e Revistas para se adequar mais rapidamente a essas mudanças. E hoje, temos um instrumento bem favorável para adptação: A internet! Essa através de quem se empenha em publicar, ajudam-nos com resumos dessas mudanças, com livrarias - que nos fornecem compras online- para vender novas gramáticas, etc... Os concursos já prometeram que a partir deste ano cobrarão a nova reforma ortográfica, e eis que surge uma preocupação geral para quem fará vestibulares, concursos ... Mas temos formas e mais forma de nos adptar, basta se dedicar. Pena que nem todo mundo apresenta uma "atração" pela língua, muitos posuem literalmente pavor em pegar uma gramática ou dicionário, mas é tão bom e fascinante estudar e aprender os segredos e variedades da língua. Temos que nos adpatar com as variadas formas da língua, isso é ser poliglota na sua própria língua e isso é enriquecedor. Portanto, que "aos pouquinhos" nos adptemos e fiquemos feras nesta nossa Última Flor do Lácio!

Adelmo camilo disse...

Olá, gostei do seu blog, muito nos ajudará.
Parabéns!
Irei sempre buscar ajuda para melhor usar nossa linguá.

Até!

Mônica disse...

Não sei se já enviei está mensagem, na verdade não estou coseguindo visualizar.Vou mandar minha dúvida novamente:
as palavras superlegale videogame estão corretas?

Mônica disse...

Bem tomei gosto pelas perguntas.
È correto eu falar:
Achei que tinha ganhado um carro ou achei que havia ganho um carro.

Laércio Lutibergue disse...

Obrigado pelo comentário, Adelmo.

Abraço!

Laércio Lutibergue disse...

Thayanne:

A mudança não é complicada.

É desnecessária.

Mas o estrago já está consumado - pelo menos no Brasil.

Então, o jeito é encarar.

Vamos em frente!

Abraço!

Laércio Lutibergue disse...

Mônica:

As grafias "superlegal" e "videogame" estão corretas sim.

E hoje se diz "havia/tinha/foi/está ganho".

Portanto, qualquer que seja o verbo auxiliar, é sempre "ganho".

Abraço!

Igoru disse...

Olá Laércio!
Primeiramente gostaria de parabenizar pelo excelente blog; assino o feed e sou leitor assíduo, gosto sempre de tirar as dúvidas para escrever melhor.
Agora, uma pergunta sobre o novo acordo: e quanto aos acentos que diferenciam certos verbos conjugados no plural do singular? Como ele vem/eles vêm, etc. O acento caiu também?

Tenho outra dúvida, meio esquisita... É quanto ao uso correto dos pronomes esse/este (e variantes). Um é para quando o assunto está perto de mim, o outro para quando está perto de você. Mas, por exemplo, aqui no pc (num comentário como este, ou em softwares diversos - sou desenvolvedor), qual seria o uso correto?
Exemplo: o usuário digitou uma informação incorreta, e a mensagem de erro é a seguinte: "Não há possibilidade de vender esse/este produto nessa/nesta quantidade." Qual o uso correto?

obrigado e continue com esse excelente trabalho!

DIEGO disse...

Se bem entendi, então agora devemos escrever "Benvindo" ao invés de "Bem-vindo" ?

Laércio Lutibergue disse...

Diego, você não entendeu.

Segundo o acordo, das palavras com "bem-", só "benfeito", "benquerer" e "benquerido" perderam o hífen.

Abraço.

Laércio Lutibergue disse...

Igoru, muito obrigado por prestigiar nosso blog.

Vamos às dúvidas: o acento de "eles vêm" e "eles têm" não caiu.

Sobre o emprego dos pronomes demonstrativos, leia esta postagem:

http://portuguesnarede.blogspot.com/2008/06/emprego-dos-pronomes-demonstrativos.html

Se a dúvida persistir, volte a entrar em contato.

Abraço!

Salvino disse...

Laércio, os acentos de "eles vêm' e "eles têm" caem com a reforma? Se encaixariam no item de acento diferencial?
Feliz 2009 pra você também!

Laércio Lutibergue disse...

Prezado Salvino:

"Eles têm" e "eles vêm" continuam com acento.

Saúde e paz!

Anônimo disse...

bolsa família, bolsa escola... continua ou não com o hífen??

Mari disse...

bolsa-família, bolsa-escola, homem-bomba, carros-bomba, permanecem com hífen??

Laércio Lutibergue disse...

O acordo não fala desses casos.

Por isso, eu entendo que continuam com hífen.

Abraço!

Helder disse...

Prof. Laércio,

tudo bem?

Como fica a palavra "ab-rogação"? Reza na cartilha de "sub-" ou se transforma em "abrogação"? Seria uma dessas palavras que teriam perdido a noção de composição?

Cordialmente,
Helder.

Laércio Lutibergue disse...

Prezado Helder:

O texto oficial do acordo não cita esse prefixo.

Mas, segundo o dicionáro da Academia Brasileira de Letras,
"ab-" se enquadra na regra de
"sub-". Logo, é "ab-rogação".

Abraço!

Anônimo disse...

pois é...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...