Servilismo linguístico - Português na Rede

Servilismo linguístico

A língua pode revelar muitas coisas - inclusive o nacionalismo de um povo. Baseados nisso, podemos afirmar que o brasileiro não é nacionalista, pois, se o fosse, não haveria essa profusão de palavras estrangeiras entre nós.

Repare que não estamos com isso adotando uma postura xenófoba. De maneira alguma. Reconhecemos que as importações linguísticas são importantes para o enriquecimento do vocabulário de uma língua. Nossa crítica é contra as palavras estrangeiras desnecessárias: por que o coffee-break dos congressos e palestras se temos intervalo? Por que o off e o sale das vitrines se temos desconto e liquidação? Por que o delivery dos restaurantes se temos tele-entrega? Por que o job das agências de publicidade se temos trabalho? E os edifícios comerciais e residenciais, os parks, os towers e os residences? E nossa aversão a formas aportuguesadas? Temos vergonha de acordeom, balé, leiaute, Nova Iorque e Quioto; queremos acordeon, ballet, layout, Nova York e Kyoto!

Tudo isso reflete nossa falta de identidade como nação. Afinal se, no dizer do poeta, nossa língua é nossa pátria, estamos nesse emprego exagerado de termos estrangeiros renegando a nossa e exaltando outra - a mais rica, a mais poderosa - e, desse modo, assumindo o papel de colonizados.

E não vale dizer que a língua não é nossa, é dos portugueses, pois nos apropriamos da língua portuguesa do mesmo modo que os americanos se apropriaram do inglês. Basta ver que somos o país com o maior número de falantes da língua portuguesa e o maior irradiador - pelo teatro, cinema, televisão, música e literatura - dessa língua.


O crescimento e a afirmação de uma nação, mostra a história, passam pela valorização de sua língua. Nações fortes têm línguas fortes. Nações fracas, línguas fracas. O que queremos para o Brasil?

3 comentários:

Anônimo disse...

Ótimo texto. Não poderia ter dito melhor.

Alessandro Santos disse...

Eu acho que, assim como o Brasil é formado por pessoas de várias "raças", a nossa Língua Portuguesa também sofre uma miscigenação.

Não defendo o uso de palavras estrangeiras, nem acuso. Mas concordo que devemos dar mais valor à nossa língua pátria.

Eu, por exemplo, tenho que me adaptar logo à nova gramática. =D

Grande abraço.

Cristiano Vieira disse...

Quando o francês era a língua da moda nos curvávamos a ela, agora é o inglês. Logo logo inseriremos o mandarim e por aí vai.

Infelizmente não temos identidade.
Algumas vezes ouvi dizer que nossa língua quase foi o Tupi Guarani, mas ela foi proibida pelas autoridades, alguém sabe me informar se essa informação é verdadeira?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...