Tuitar x twittar: o retorno - Português na Rede

Tuitar x twittar: o retorno

Volto a falar de "tuitar" e "twittar".

Confesso que não era minha intenção, mas tenho de repisar o assunto porque fui citado na coluna "O prazer das palavras" de 24 de abril, publicada no jornal Zero Hora, de Porto Alegre.

O responsável pela coluna, o ínclito professor Cláudio Moreno, é defensor da forma "tuitar" e sabe que um certo professor pernambucano prefere "twittar".

Quem acompanha esta coluna e o blog Português na Rede (www.portuguesnarede.com) sabe minha opinião a respeito de "tuitar" e "twittar".

Optei pela segunda por entender que deriva de um nome próprio estrangeiro e, por isso, se enquadra na regra que manda conservar o "k", o "w" e o "y" na palavra originada de um nome próprio estrangeiro que contém essas letras.

O professor Moreno tem opinião diversa da minha e cita como exemplo palavras que teriam sofrido o mesmo processo de adaptação, entre as quais "ioiô" (de Yo-yo) e "teletipo" (de Teletype).

É muito boa a argumentação do professor Moreno e eu até concordaria com ela se houvesse um afastamento da forma "tuitar", defendida por ele, do nome registrado que deu origem a ela.

Como ocorreu com "ioiô", com "teletipo" e com "gilete", que se afastaram da marca.

Se, por exemplo, o "tuitar" do professor Moreno passasse a ser qualquer minimensagem trocada entre pessoas, como na seguinte situação: "Na sala de aula, a professora repreende duas alunas por trocarem bilhetinhos: ‘Meninas, parem de tuitar!’"

Entendeu, leitor? "Tuitar" neste caso já teria adquirido outro sentido e se afastado da marca comercial.

Mas por enquanto isso não aconteceu e "twittar" está sendo tão somente associado à ideia de "pequeno texto publicado no Twitter".

Mas, a bem da verdade, apesar de toda essa teoria, a minha opinião e a do professor Moreno valem muito pouco neste caso.

O surgimento de "tuitar/ twittar" é recente, está em marcha e o povo ainda está decidindo a forma que ficará.

Somente daqui a alguns anos, quando a palavra estiver completamente incorporada ao léxico, saberemos qual foi a escolhida.

Publicado na coluna "Com todas as letras", Jornal do Commercio, em 28/4/2010.

11 comentários:

Yuri disse...

Amigo Lutibergue:

Embora eu continue defendendo "tuitar" – e isso ocorre desde antes da opinião do meu mestre Moreno –, gostei do seu texto.

E minha defesa não é pela exclusividade; trata-se apenas de uma preferência porque julgo outros argumentos mais relevantes (o que não significa, pela Lógica, que os do amigo sejam irrelevantes).

Já discutimos um bocadinho isso, não é mesmo? Também vou escrever sobre o assunto lá no blogue e, na sexta-feita, ao ativar a "enquete", suscitarei a questão.

E viva a (boa) diversidade!

Por ora é isso. Forte abraço!

Yuri Brandão/Maceió

Laércio Lutibergue disse...

Prezado Yuri:

Quando há um debate linguístico com bons argumentos, todos ganham.

Minha intenção, ao pôr "tuitar/twittar" em relevo, foi estimular a reflexão.

Afinal, esse tipo de estímulo faz parte da minha missão de educador e formador de opinião.

Abraço.

Lúcia disse...

Oi.O seu blog é maravilhoso,estou adorando essa história de "tuitar/twittar".Eu não faço nem um nem o outro,o meu negocio e bloggear.

Abraços,Lúcia
29/04/010

Laércio Lutibergue disse...

Obrigado, Lúcia.

O seu (http://lhelena.blogspot.com/) também é muito bom.

Abraço.

Débora Fonseca disse...

Prefiro o twittar mesmo, pelo sentido que você disse.
Adorei o blog.

Laércio Lutibergue disse...

Grato pela participação, Débora.

Abraço.

Laércio

André Gomes disse...

Olá, professor.
Há algum tempo, levei essa mesma questão para o pessoal do Ciberdúvidas e, pelo que entendi, "tuitar" seria aceitável e "twittar" discutível. Por favor, veja o link e me diga o que você achou. Um abraço.

Laércio Lutibergue disse...

Prezado André:

Pelo que entendi, eles aceitam as duas formas.

Vai depender do modo como a pessoa vê a palavra "twitter": um nome próprio, que, assim, derivaria "twittar"; ou um nome comum, que, assim, derivaria "tuitar".

É mais ou menos o que eu penso.

Posso dizer-lhe que, alguns meses depois desta postagem de Português na Rede, observo um forte crescimento da forma "tuitar".

Então existe uma grande possibilidade de ela superar "twittar" e, desse modo, se consagrar como a única grafia.

Vamos aguardar.

Deixemos o povo decidir.

É isso o que defendo.

Abraço.

Mauri Helme disse...

Caro Laércio,

Algumas notícias já mostram que a nova edição do Aurélio já traz o verbo "tuitar". Será que isso coloca fim à questão e daqui pra frente essa será a forma correta de se escrever?

Grande abraço!

Laércio Lutibergue disse...

Prezado Mauri:

Já falei neste blogue sobre essa novidade presente no novo Aurélio.

Veja: http://www.portuguesnarede.com/2010/10/novo-aurelio-registra-tuitar.html

Abraço!

Ditados e Gírias disse...

É interessante essa discussão, eu, na minha humilde opinião, acho que ambas as formas tuitar e twittar podem dificultar na hora de assimilação da língua inglesa. Por exemplo, quando vermos a palavra tweet em algum texto em ingles, iremos associá-la com o Twittar, porém tuitar e twittar só terá lógica quando relacionado ao Twitter, o que nem sempre ocorre.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...