As sêmis do JC - Português na Rede

As sêmis do JC

Não, amigo leitor, não vamos falar das semifinais do torneio de futebol do Jornal do Commercio, como dá a entender o título deste comentário.

Nosso assunto é outro.

É a palavra "sêmi(s)", muito usada nas páginas esportivas do JC.

Sabemos, por alguns e-mails recebidos, que tal palavra está chamando a atenção de muitos leitores do jornal.

Não sem razão, pois essa redução com acento e plural do substantivo "semifinal" é muito pouco usada, diríamos mesmo que é exclusivamente usada no JC.

O que é muito ruim, pois mostra o desconhecimento da maioria em relação à nossa gramática.

Porque, se houvesse conhecimento, os que estranham "sêmi(s)" saberiam que os prefixos, quando substantivados, seguem as regras de flexão e acentuação da língua portuguesa, motivo pelo qual o JC escreve "as mínis", "as múltis", "as sêmis"...

Saberiam também que muita diferença há entre a morfologia de "semifinal" e a de "as sêmis": no primeiro caso, o prefixo "semi-" aparece agregado ao substantivo "final", formando com este uma palavra; no segundo, o artigo "a" substantiva o prefixo, transformando-o numa palavra paroxítona terminada em "i(s)", como "júri", e por isso acentuada.

É bom, portanto, ir se acostumando com a forma "as sêmis", pois ela está certíssima. Se o JC, por enquanto, é o único veículo que a usa, não é uma falha dele.

A falha, ou a desinformação, ou a insegurança, ou o preconceito, ou seja lá o que for, é dos outros.

Publicado na coluna "Com todas as letras", Jornal do Commercio do Recife, em 21/4/2010

15 comentários:

CESAR CRUZ disse...

Claro como a água. Excelente, parabéns.

Cesar

Laércio Lutibergue disse...

Obrigado, Cesar.

Abraço.

Antóvila disse...

Apenas uma falha de digitação, na linha 5 do texto: e-mail não deveria estar pluralizado 'e-mails'? A propósito, a pronúncia é mesmo 'i-mêil'???

Anderson disse...

Perfeito o texto!

Professor:

tu podes me tirar uma dúvida? O sufixo "ismo" na palavra homossexualismo tem mesmo sentido pejorativo, de doença? Se tu puderes me ajudar, agradeço-te.

Abraço.

Laércio Lutibergue disse...

Prezado Antóvila:

Falha corrigida.

Obrigado.

Quanto à pronúncia de "e-mail", em português é "i-meio", bem diferente da original, em inglês, "i-mel".

Abraço.

Laércio Lutibergue disse...

Anderson:

Na medicina, o sufixo "-ismo" expressa intoxicação:"alcoolismo",
"botulismo", "iodismo"...

Em "homossexualismo", no meu entendimento, esse sufixo aparece designando comportamento, como em "erotismo" e "materialismo".

Abraço.

Anderson disse...

Nossa, pesquisei em vários sites, enrolaram enrolaram e não diziam nada. Enquanto que aqui foi simples, direto e eficaz. De fato, não tinha pensado nisso. "-ismo", no caso da condição sexual, não precisa ser entendido como doença, mas sim como comportamento. Perfeito!

Obrigado!

Anônimo disse...

Você escreveu "muito pouco". Ou é muito ou é pouco, certo? Fica a dica.

Laércio Lutibergue disse...

Prezado "Anônimo":

Não sei de onde você tirou essa ideia.

"Muito" é um adverbio de intensidade e, como tal, ele pode modificar o adjetivo "pouco", que pode ser substantivado ou adverbializado: "Muito pouca gente sabe disso"; "Muito poucos sabem disso"; "É muito pouco usado".

Note que, no caso de "muito pouco", somente o segundo pode variar.

Abraço.

Maria Adelice disse...

Prezado Laércio:

Você é muito educado.

Conheço alguns professores que mandariam esses anônimos desinformados e atrevidos se recolherem à insignificância deles.

Um beijo.

Lúcia disse...

Oi.É educado mesmo Maria,pois para mim anonimato é covardia e se fosse eu mandaria o anônimo se catar.Professor adorei essa explicação dos prefixos,eu não havia prestado atenção nesse detalhe nem li isso em gramáticas.Eu gosto de ler Luiz Antonio Sacconi poeque ele é cheio de detalhes,ele se acha até,mas não tem essa explicação.

Abraços,Lúcia
26/05/010

Antóvila disse...

Gostaria que, se possível, esclarecesse-nos uma dúvida: o uso da expressão 'e/ou', que se vê amiúde, é correto, recomendável ou vai de encontro à norma culta? Onde e quando podemos usá-la?
Grato pela atenção dispensada!

eu disse...

"Fica a dica" foi ótimo, eufemisticamente falando.

Laércio Lutibergue disse...

Maria e Lúcia:

Este é um espaço democrático, as pessoas podem se manifestar, desde que não seja com agressividade, com baixaria.

Num ponto, porém, eu concordo com você, Lúcia: não é legal ficar no anonimato.

Afinal, uma opinião assinada com o verdadeiro nome tem muito mais crédito.

Saúde e paz para vocês.

Laércio Lutibergue disse...

Prezado Antóvila:

O uso de "e/ou" não consta na gramática normativa.

Mas é um recurso válido se for realmente necessário.

E quando ele realmente é necessário?

Quando houver três opções, a segunda expressa pela conjunção aditiva "e", e a última, pela alternativa "ou".

Por exemplo: "A verba servirá para reforma e/ou ampliação do imóvel".

Há três opções: 1. a verba servirá apenas para reforma do imóvel; 2. a verba servirá para reforma e ampliação do imóvel; 3. a verba servirá apenas para ampliação do imóvel.

Abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...