Conjugando o imperativo - Português na Rede

Conjugando o imperativo

Título na capa de uma revista: “Diga-me o que tomas e direi quem és”.

Estaria tudo perfeito com o título se não fosse a falta de uniformidade das pessoas verbais, pois “diga” é terceira pessoa do imperativo e “tomas”, segunda pessoa do presente do indicativo.

Para que houvesse uniformidade, ambas as formas verbais deveriam estar na segunda ou na terceira pessoa, como nos exemplos a seguir:

1. As duas formas verbais na segunda pessoa:

• “Dize-me (tu) o que (tu) tomas...”

2. As duas formas verbais na terceira pessoa:

• “Diga-me (você) o que (você) toma...”

Em vez disso, o título equivocado fez uma salada, misturou “você” com “tu” – “Diga-me (você) o que (tu) tomas...” –, o que não é possível na língua culta.

O provérbio que certamente foi a fonte de inspiração do errado título é “Dize-me com quem tu andas, que te direi quem és”, que muitos erradamente dizem “Diga-me com quem tu andas, que te direi quem és”, com o mesmo erro da falta de uniformidade de pessoas.

Isso mostra que muita gente não está sabendo conjugar o imperativo afirmativo.

De fato, conjugar o imperativo afirmativo não é muito simples, exige uma pequena “engenharia”:

1. Da segunda pessoa do singular e da segunda do plural do presente do indicativo saem a segunda pessoa do singular e a segunda do plural do imperativo afirmativo, suprimindo-se o “s” final.

Vejamos isso na prática usando o verbo “dizer”:

• Segunda pessoa do singular do presente do indicativo: dizes.

• Segunda pessoa do singular do imperativo afirmativo: dizes - s = dize (tu).

• Segunda pessoa do plural do presente do indicativo: dizeis.

• Segunda pessoa do plural do imperativo afirmativo: 
dizeis - s = dizei (vós).

2. Do presente do subjuntivo saem as demais pessoas:

“Dizer”/presente do subjuntivo – ele diga, nós digamos, eles digam.

“Dizer”/imperativo afirmativo – diga você, digamos nós, digam vocês.

O imperativo negativo é mais fácil, pois todas as suas formas vêm do presente do subjuntivo:

“Dizer”/presente do subjuntivo – eu diga, tu
digas, ele diga, nós digamos, vós digais, eles digam.

“Dizer”/imperativo negativo – não digas tu, não diga você, não digamos nós, não digais vós, não digam vocês.

Para terminar, observe que tanto o imperativo afirmativo como o negativo são conjugados a partir da segunda pessoa do singular (tu).

A razão é simples: como o imperativo é o modo que exprime ordem, não pode haver a primeira pessoa do singular, pois “eu” não dá ordens a “eu”.

Além disso, quando se conjuga o imperativo, o pronome de terceira pessoa é “você” em vez de “ele”.

E a razão outra vez é simples: ordens são dadas de uma pessoa a outra e, quando falamos com outro, usamos “você”, e não “ele”.

Compre o novo livro de Laércio Lutibergue AQUI.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...