O dengue ou a dengue? - Português na Rede

O dengue ou a dengue?

A palavra dengue nasceu na Espanha. Seu significado original é “dengo”, “manha”.

Passou a nomear a doença porque, em teoria, os doentes de dengue ficam cheios de manha, com dengo.

Quanto ao gênero, em seu primeiro sentido (“manha”), a palavra é masculina.

No segundo, há divergência.

O dicionário Aurélio registra “dengue”, a doença, como substantivo de dois gêneros, ou seja, pode ser “o dengue” ou “a dengue”.

Assim como o Aurélio, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp) da Academia Brasileira de Letras vê “dengue” como substantivo de dois gêneros.

Para o Volp, portanto, também pode ser “o dengue” ou “a dengue”.

O dicionário Houaiss pensa diferente, classifica dengue como substantivo exclusivamente feminino.

Temos opinião semelhante à de Houaiss: na língua contemporânea predomina a forma “a dengue”, que, por ser mais usual, deve ter a nossa preferência.

Por fim, atenção à pronúncia do nome do mosquito que transmite a dengue, o Aedes aegypti.

Diga /édes egípti/.

A propósito, esse nome é uma locução híbrida, composta de palavras de duas línguas: do grego “aedes”, ‘desagradável’, e do latim “Aegypti”, ‘do Egito’.

Aedes aegypti significa, portanto, “desagradável do Egito”.

Compre o novo livro de Laércio Lutibergue AQUI.

6 comentários:

JOSÉ ROBERTO BALESTRA disse...

Professor Láercio, não sou bacharel em filologia, nem em letras, porém o “Aulete Digital” a mim me parece mais democrático: autoriza as duas formas, masculina e feminina.

Quanto a essa evidente disputa “dicionárica” pela figuração, exclusão ou não de certas palavras em seu rol, na forma como vindas da boca do povo, é de serem compreendidas segundo as razões de espaço físico em uma obra pelos termos e suas variações.

Compreendo-as. Todavia, não me perfilo a quaisquer das correntes; a exclusão de um termo no dicionário pelos filólogos e dicionaristas, seja pelo desuso ou por causa outra qualquer, é o princípio da erosão da cultura de um povo, ou, se não o for, já é a própria voçoroca lingüística. Se regra fosse a exclusão certamente não teriam chegado a nós muitas das explicações etimológicas que hoje temos, nem mesmo as línguas antigas ou até mesmo as tintas das extintas.

A palavra “dengue”, a meu ver, por absoluta força de um falar popular, está mais para a forma feminina (“A dengue”), assim como o vocábulo “soja”, ao qual volta e meia vemos ser tratado equivocadamente na forma masculina (“O preço do soja subiu.”). Sabemos que soja é uma espécie de feijão, elemento masculino, porém antes disso, soja é “planta” do gênero das “leguminosas”, portanto, como se vê, o vocábulo feminino se impõe a todo instante. Assim, a consagração feminina do termo pelo uso popular é que deve prevalecer. Afinal, os dicionaristas que me perdoem, mas não se pode olvidar que “Vox populi, vox dei”, não é mesmo?

Por isso, gostaria de pedir-lhe vênia, em amparo a esse meu ponto de vista, e indicar-lhe a leitura de um texto que eu já escrevera certa vez acerca dessas divergências entre dicionaristas e filólogos pátrios.

Aqui: http://zerobertoballestra.blogspot.com/2010/09/o-risco-da-indigencia-linguistica.html

abs

Maurício disse...

"Quanto ao gênero, em seu primeiro sentido (“manha”), a palavra é masculina."

Não seria feminina?

Laércio Lutibergue disse...

Não, Maurício, com o sentido de "manha, dengo", a palavra "dengue" é masculina mesmo, como o texto informa.

Ela só pode ser feminina quando significa "a doença".

Abraço!

Antóvila disse...

Medicina [s.f.(a)] Doença infecciosa transmitida pelo mosquito Aedes, princ. o Aedes aegypti: a dengue hemorrágica mata.
A dengue é uma infecção aguda, caracterizada princ. por febre, erupções cutâneas, dor de cabeça e dores musculares. Quando ocorre hemorragia, pode ser fatal. O período de incubação da dengue é de três a quinze dias, geralmente de cinco a seis. Embora seja um mosquito, e seu nome científico seja masculino (o Aedes), em português a palavra é rigorosamente feminina, em tal acepção.
Fonte: Grande Dicionário Sacconi (GDS), 1.ª ed., Nova Geração, 2010.

Robério Fernandes disse...

Professor, depois das novas regras gramaticais, você opta por (1) pré-executividade ou preexecutividade? (2) tele-entrega ou telentrega?

Embora minha postagem esteja no comentário impróprio, ainda assim gostaria que se posicionasse sobre minhas perguntas. Abraço

mangojambo disse...

E o Dengue era o da Xuxa! :)
Normalmente ouço pessoas se referindo ao mosquito como o dengue e a doença como a dengue.
Como sempre, fantástico seu blog, professor!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...