Março 2012 - Português na Rede

Regência/corroborar: As pesquisas corroboram com minha tese ou corroboram minha tese?


O verbo “corroborar”, o mesmo que "fortalecer", "reforçar", só rege a preposição “com” quando é bitransitivo, ou seja, quando pede dois complementos: “Ele corroborou a estratégia política de campanha com as pesquisas de opinião”.


Não sendo esse o caso, “corroborar” pede complemento sem preposição: "Economista corrobora as críticas de entidades sindicais"; "Estudos corroboram a importância da prática de exercícios para a saúde"; “As pesquisas corroboram minha tese”.

Leia Mais ►

Ela se acordou bem cedo ou Ela acordou bem cedo?

O verbo “acordar” não é pronominal.
Logo, o certo é “Ela acordou bem cedo”. 
Também não são pronominais “expirar” (“O prazo expirou”, e não “O prazo se expirou”) e “proliferar” (“O mosquito da dengue prolifera rápido”, e não “O mosquito da dengue se prolifera rápido”).
Leia Mais ►

Roteiro para interpretação de texto

Depois das nossas dicas para escrever melhor, vamos agora publicar um roteiro para interpretação de texto.


Se você tem dificuldade de responder às questões do teste de interpretação textual, faça o seguinte na hora da prova:


1. Leia o texto no mínimo duas vezes. Na primeira leitura, atenha-se ao conteúdo; na segunda, veja como o texto está articulado, desenvolvido.


2. Observe as relações interparágrafos. Um parágrafo geralmente mantém com outro uma relação de continuação, conclusão ou falsa oposição. Identifique muito bem essas relações.


3. Sublinhe, em cada parágrafo, o tópico frasal, ou seja, a ideia mais importante.


4. Leia com muito cuidado os enunciados das questões, sem pressa, para entender bem a pergunta.


5. Grife palavras como "correto" ou "incorreto", evitando, assim, uma confusão na hora da resposta.


6. Não dê muito valor ao que o autor quis dizer, mas sim ao que ele disse, expressou no texto.


7. Identifique os personagens principais e secundários e centre-se nas características físicas e psicológicas deles.


8. Se o foco do enunciado for o tema ou a ideia principal, leia com atenção a introdução e/ou a conclusão.


9. Se o enunciado focar o item argumentação, concentre-se no desenvolvimento.


10. Olhe com especial atenção os pronomes relativos, pronomes pessoais, pronomes demonstrativos, etc., chamados vocábulos relatores, porque remetem a outros vocábulos do texto.

Leia Mais ►

Vasculhante, vasculante, basculhante ou basculante?

Segundo os dicionários, a palavra é "basculante".

Ela provém de "básculo", termo que designa a peça responsável pela abertura e fechamento desse tipo de janela.
Leia Mais ►

Hum ou um?

Muitas pessoas, ao escreverem o número 1 por extenso num cheque, grafam “hum” em vez de “um”.

É certo isso?

Trata-se de um recurso para evitar a transformação, principalmente em cheques, de “um” em “cem”.

Comprove isso escrevendo “um” à mão.

Veja que, mexendo no tracinho esquerdo do "u", dá para transformá-lo em “e".

Depois, basta antepor “c” ao adulterado “e”, que era “u”, e a transformação de “um” em “cem” estará finalizada.

É por isso que, em cheques preenchidos à mão, a grafia “hum” é compreensível.

Mas só nesta condição.

Fora dela, escrever “hum” em textos digitados/datilografados (textos de livros, revistas, jornais) não faz sentido.

É erro gráfico do mesmo tope de “hamor”.
Leia Mais ►

Bósnia-Herzegovina, Bósnia Herzegovina, Bósnia-Herzegóvina ou Bósnia Herzegóvina?

Nossos principais dicionários divergem em relação a esse topônimo.

Aulete diz, no verbete “bósnio”, que é Bósnia-Herzegovina, com hífen e “-vi-” como a sílaba tônica da segunda palavra.

Houaiss grafa “Bósnia-Herzegóvina”, com hífen e “-gó-” como sílaba tônica.

Aurélio registra “Bósnia Herzegóvina”, sem hífen e “-gó-” como tônica.

Nossas considerações: com base na nova ortografia, que estabelece que “Guiné-Bissau” é o único topônimo hifenizado, não há dúvida de que Aurélio acerta ao não empregar o hífen nesse topônimo.

Acerca da sílaba tônica da segunda palavra, é mais comum “Herzegovina”, como está no Aulete.

O ideal, portanto, seria “Bósnia Herzegovina”.

Mas, como essa forma não está em nenhuma das obras consultadas, o mais sensato é optar por uma que encontra abrigo num dicionário de prestígio.

Assim sendo, a nossa escolha é pela grafia “Bósnia Herzegóvina”, como está no Aurélio, por não usar hífen, respeitando o que determina o novo acordo ortográfico.


Leia Mais ►

Rádio relógio, radiorrelógio ou rádio-relógio?

O elemento de composição "radi(o)-" junta-se com hífen  às letras "h" e "o": radio-histeria, radio-ouvinte. Às demais letras "radio-" se une  diretamente, sem hífen: "radioamador", "radiopatrulha", "radiocomunicador".

No entanto, "rádio-gravador" e "rádio-relógio" se escrevem com hífen, pois nesses casos o que há é o substantivo "rádio" (o aparelho) ligado a outro substantivo.
Leia Mais ►