A confusão dos “porquês”

"Porque" junto, "por que" separado, "porquê" junto com acento, "por quê" separado com acento.

São os "porquês" da língua portuguesa a confundir a cabeça de muita gente!

Agora, cá entre nós, não há motivo para tanta confusão.

O entendimento da regra dos "porquês" não é nenhum bicho de sete cabeças, como veremos agora.

São cinco os tipos de porquês:

Por que – separado – significando "por que razão" – no início ou no meio de frase interrogativa com ou sem ponto de interrogação: "Por que (= por que razão) você chegou atrasado?"; "Não sei por que (= por que razão) ele reagiu daquele modo".

Por quê – separado – significando "por que razão" – no final de frase interrogativa com ou sem ponto de interrogação: "Você chegou atrasado por quê?"; "Estou certo e vou mostrar por quê".

Por que – separado – significando "pelo qual": "A crise por que (= pela qual) passa o mundo pode ser muito útil".

Porque – junto – significando "pois" ou "pelo fato de que": "Chegue cedo, porque (pois) não quero dormir tarde"; "A seleção perdeu porque (pelo fato de que) jogou mal".

Porquê – junto – significando "motivo" – precedido de artigo: "Ninguém sabe o porquê (= o motivo) da crítica".

Esses são os "porquês" e, apesar da diversidade, cremos que com o que está exposto aqui dá para você empregá-los sem grandes aperreios.

Para iniciar a prática, responda ao desafio a seguir.

» DESAFIO

Dos três “porquês” abaixo, qual o correto?

a) Quero saber porque você não foi trabalhar ontem.
b) Quero saber por que você não foi trabalhar ontem.
c) Quero saber por quê você não foi trabalhar ontem.


» RESPOSTA

Letra “b” é a resposta certa. É “por que” separado e sem acento por significar “por que razão” e por não estar no fim da frase.

Postado por
Laércio Lutibergue

às
10:29

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Scroll to Top