Dezembro 2007 - Português na Rede

CIDRA ou SIDRA?


“Cidra”, com C, é o fruto da cidreira. De sabor azedo, geralmente é usado no preparo de doces e compotas.

“Sidra”, com S, é o espumante com que a maioria dos brasileiros celebra a chegada do ano-novo. É feito de suco fermentado de maçã.
Leia Mais ►

Quem nasce no Sri Lanka é...



A opção mais votada, “cingalês”, com 47%, é a resposta correta. Porém, diferentemente dos outros Desafios, a maioria dos participantes errou. Podemos dizer que, se o Desafio fosse em dois turnos, haveria segundo turno, visto que 53% dos participantes erraram.

“Cingalês” é o adjetivo pátrio relativo ao Sri Lanka desde a época em que esse país se chamava Ceilão. O país mudou de nome, mas o adjetivo pátrio permaneceu.

Já viu o novo Desafio? Desta vez, você vai acertar ou errar?
Leia Mais ►

REVEILLON ou RÉVEILLON?


Escreve-se “réveillon”, ou seja, há acento no primeiro “E”.

De origem francesa, essa palavra designava a princípio uma refeição noturna, tarde da noite.

Tempos depois, mudou o sentido e passou a ser a refeição da noite de Natal, após a missa do galo.

E em meados do século passado, mudou mais uma vez de significado, passando a nomear a refeição feita na passagem de ano.
Leia Mais ►

ANO NOVO ou ANO-NOVO?

Com o sentido de "o próximo ano", "a meia-noite do 31 de dezembro", "o dia 1º de janeiro", é, dizem os dicionários, "ano-novo", com hífen e iniciais minúsculas. Desse modo, "Feliz Natal e próspero ano-novo!"
>
Leia Mais ►

árvore-de-natal ou árvore de Natal?

Com hífen, é árvore da família das pináceas (pinheiros) que fornece matéria-prima para a indústria de papel.


Sem hífen, é o pinheiro artificial que enfeita nossa casa no período natalino. E pode ser também pessoa que se veste com jóias e roupas exageradamente berrantes.
Leia Mais ►

QUEIJO DO REINO ou QUEIJO-DO-REINO?

De acordo com os dicionários, escreve-se "queijo-do-reino", com hífen. Esse queijo é uma tradição na mesa natalina dos nordestinos.
Leia Mais ►

REIZADO ou REISADO?

O certo é "reisado", com S. E por quê? Porque a palavra compõe-se do plural "reis" mais o sufixo "-ado".
>
Leia Mais ►

ORIGEM DAS PALAVRAS: PAPAI NOEL




Nosso "Papai Noel" é uma herança do francês "Père Noël" (Pai Natal). É mais uma prova da nossa mania de importar e assimilar nomes estrangeiros.

Os portugueses não padecem desse mal e dizem "Pai Natal". Os ingleses têm o "Father Christmas". Os canadenses que falam inglês e os americanos pedem presentes a "Santa Claus", cuja origem é o holandês "Sinterklaas", que em português é "São Nicolau".

De nacionalidade turca, São Nicolau foi um bispo que viveu no século 4.º e, por ser bondoso e gostar de dar presentes, deu origem à figura de Papai Noel.
Leia Mais ►

Resposta do Desafio


Os que disseram que “beócio” significa “ignorante” acertaram.


A palavra designava, inicialmente, os habitantes da Beócia, região grega. Ganhou a acepção de “ignorante” pelo fato de os beócios terem fama de ser um povo pouco inteligente.



Já está no ar o novo Desafio. Sua participação é muito importante!
Leia Mais ►

AMIGO-SECRETO ou AMIGO SECRETO?

A festa é com hífen; o participante é sem. Assim, "O amigo-secreto da empresa vai ser sexta-feira e o chefe é o meu amigo secreto".
Leia Mais ►

ORIGEM DAS PALAVRAS: A AVE "PERU"



É Natal! Época de paz, de amor, de solidariedade, de presentes e de comer peru, ave que tem uma história muito interessante.


A começar pelo fato de ser nome de país em três línguas diferentes: em português, "peru"; em inglês, "turkey" (turquia); em francês, dinde (de "d’Inde", "da Índia"). O curioso é que a ave, apesar dos nomes, não é originária de nenhum desses países, e sim do México e do sul dos Estados Unidos.


Mas há uma explicação para isso. No século 16, os portugueses chamavam a América espanhola de "Peru", que era, depois do Brasil, graças à fama do Império Inca, a região da América mais conhecida em Portugal. Foi por isso que, ao chegar a Portugal procedente do México, a ave "natalina" passou a ser chamada de "peru".


O "turkey" dos ingleses designava, a princípio, outra ave: a galinha-d’angola. Depois de certo tempo, os súditos da rainha descobriram que a galinha-d’angola não provinha da Turquia e deram-lhe outro nome: "guinea-hen", ou seja, "galinha-da-guiné". Quando o peru chegou à Inglaterra, no século 16, os ingleses viram então uma oportunidade de recuperar o nome "turkey", batizando a ave procedente do Novo Mundo com esse nome.


A história da "dinde" dos franceses é parecida com a de "turkey". É que no início os franceses chamavam de "dinde" a galinha-d’angola. Até que no ano de 1532, quando o peru chegou à França, os franceses resolveram que "dinde" passaria a ser o nome da ave importada da América.


Em tempo: na França, "dinde" é a fêmea do peru, ou seja, é a perua. O macho é "dindon". Mas, diferentemente de nós, os franceses preferem a forma feminina e comem "la dinde de Noël" (a perua de Natal).
Leia Mais ►

CONCORDÂNCIA: NEM... NEM...


O verbo fica no plural nas orações cujos sujeitos são introduzidos pela conjunção "nem": "Nem o prefeito nem o governador estão certos"; "Nem a CBF nem a Comissão Estadual de Arbitragem adiantaram quais serão os árbitros"; "Nem uma nem outra promessa têm data certa"; "...nem a Copergás nem nenhuma outra empresa distribuidora vão ter coragem de dizer ao cliente..."


O verbo, porém, ficará no singular se houver idéia de exclusão: "Nem Paulo nem José será eleito presidente da República na próxima eleição".
Leia Mais ►

HOMENAGEM À NOSSA SENHORA ou A NOSSA SENHORA?


Para haver crase, é preciso que a palavra antecedente exija a preposição "a" e a subseqüente aceite o artigo "a". Em virtude disso, não há crase antes de "Nossa Senhora", uma vez que esse nome rejeita artigo. Constate: dizemos "a história de Nossa Senhora", "confia em Nossa Senhora das Dores", "graça concedida por Nossa Senhora da Conceição", e não "a história da Nossa Senhora", "confia na Nossa Senhora das Dores", "graça concedida pela Nossa Senhora da Conceição". Assim sendo, "Uma multidão acompanhou a procissão em homenagem a Nossa Senhora da Conceição".
Leia Mais ►

EM VIAS DE ou EM VIA DE?

A locução certa é em via de, com a palavra via no singular.
Lembre-se de que via significa caminho. Daí a razão de ser em via [no caminho] de. Exemplo: "Pernambuco está em via de ganhar dois novos vôos internacionais".
Leia Mais ►

EM QUE PESE



A locução "em que pese" tem duas possibilidades de uso:



1. Quando faz referência a coisas, o verbo "pesar" concorda com a coisa referida: "Em que pesem seus bons argumentos, mantenho meu ponto de vista"; "...os grandes projetos de Suape, em que PESEM todos os efeitos que terão sobre nossa economia, trazem um risco econômico e social".

2. Quando faz referência a pessoas, o verbo "pesar" rege a preposição "a" e fica invariável: "Em que pese aos radicais, o governo não fará loucuras"; "Em que pese ao árbitro incompetente, nosso time venceu fácil".
Leia Mais ►

A OFICIAL ou A OFICIALA DE JUSTIÇA?

"Oficiala" é o feminino de "oficial". Portanto, devemos chamar de "oficial de justiça" quando é um homem e de "oficiala de justiça" quando é uma mulher.
Leia Mais ►

Resposta do Desafio


A maioria (61% dos participantes) acertou nosso desafio: “taumaturgo” é “uma pessoa que faz milagres”. A palavra provém do grego “thaumatourgós”, ‘aquele que, com milagres ou atos prodigiosos, atrai ou impressiona pessoas’.


O novo desafio já está no ar, logo abaixo de “Meus sites e blogs favoritos”. Participe!
Leia Mais ►

A LEI VIGIU POR MUITO TEMPO ou VIGEU POR MUITO TEMPO?

O certo é “A lei vigeu por muito tempo”, pois o verbo é “viger”, e não “vigir”.

A propósito, o verbo “viger” se conjuga como “vender”, mas não tem a primeira pessoa do presente do indicativo e todo o presente do subjuntivo.

Leia Mais ►