Março 2009 - Português na Rede

ORTOGRAFIA DO ACORDO: ZIGUEZAGUE ou ZIGUE-ZAGUE?

Na nova regra, escrevem-se com hífen as expressões onomatopeicas com termos repetidos, com ou sem alternância vocálica ou consonântica, inclusive seus derivados:


lenga-lenga, lenga-lengar;
zum-zum-zum, zum-zunar;
zigue-zague, zigue-zaguear.
Leia Mais ►

Desafio: quais as vogais e as consoantes de "viagem"?

Na palavra "viagem", há:


a) Duas consoantes, três vogais e uma semivogal.

b) Três consoantes e três vogais.

c) Três consoantes, duas vogais e uma semivogal.


Resposta


A opção certa é a letra “a”.



Em “viagem”, há duas consoantes (“v” e “g”), três vogais (“i”, “a” e “e”) e uma semivogal (“m”).



Só poderiam acertar este desafio os que sabem que a letra “m” quando pertence aos grupos “am”, “em” e “en”, no fim de palavra, é uma semivogal.


Para quem não se lembra, toda sílaba tem apenas uma vogal.

Quando há na sílaba dois sons vocálicos, ao mais fraco dá-se o nome de semivogal.

Em “viagem”, por exemplo, na última sílaba, existem dois sons vocálicos – o “m” do encontro “em”, no fim de palavra, tem som de “y”.

Para finalizar, esta é a representação fonética da palavra “viagem”: viajẽy.
Leia Mais ►

ORTOGRAFIA DO ACORDO: INFRA-ESTRUTURA ou INFRAESTRUTURA?

A grafia atualizada é “infraestrutura”, sem hífen, pois o acordo ortográfico estabelece que não se usa hífen quando o prefixo termina em vogal diferente da que inicia o segundo elemento.

Outros exemplos: aeroespacial, agroindustrial, antiaéreo, antieducativo, autoaprendizagem, autoescola, autoestrada, autoinstrução, extraescolar, miniópera, plurianual, semiárido.

Se você quer passar num concurso, clique AQUI.
Leia Mais ►

Bicho e vaquinha

No futebol, "bicho" é uma gratificação paga aos jogadores e à comissão técnica. 


Quem começou essa prática foi a torcida do Vasco da Gama, em 1923.

Para estimular e premiar seus jogadores, os torcedores vascaínos passaram a se cotizar e estabeleceram o seguinte padrão de premiação: caso arrecadassem cinco mil réis, chamavam o prêmio de "cachorro", pois cinco é o número desse animal no jogo do bicho; caso arrecadassem dez mil réis, a premiação era chamada de "coelho", que corresponde a dez no bicho; e se chegassem a 25 mil réis, o valor máximo, o prêmio recebia o nome de "vaca", cujo número na “loteria zoológica” é 25.


É provável, aliás, que deste último valor tenha surgido outra expressão popular: fazer uma vaquinha.
Leia Mais ►

ORTOGRAFIA DO ACORDO: CO-PRODUÇÃO ou COPRODUÇÃO?

A regra do prefixo “co-” foi alterada.


Agora, ele se une sempre sem hífen ao termo seguinte, derrubando o “h” ou dobrando o “r” e o “s” inicial desse termo: “coopositor”, “coerdeiro”, “corresponsável”, “cosseno”, “codireção”, “coprodução”.
Leia Mais ►

AS MULTI ou AS MÚLTIS?

Os prefixos, quando substantivados, seguem as regras de flexão e de acentuação da língua portuguesa:

Os editores vão se reunir com os subs.

Brasil goleia e está na sêmi.

BC prepara nova máxi.

As mínis voltaram à moda. 


As múltis mantêm o otimismo.
Leia Mais ►

Desafio

O correto é:


a) Ela gosta do cor-de-rosa.

b) Ela gosta da cor-de-rosa.


Resposta


Em função substantiva, a palavra "cor-de-rosa" é masculina.


A letra "a" (Ela gosta do cor-de-rosa) é, portanto, a opção correta.


Atenção! Como adjetivo, "cor-de-rosa" modifica palavra de ambos os gêneros e não varia em número:

Maria comprou um vestido cor-de-rosa.

Naquela rua há várias casas cor-de-rosa.

As meninas preferem bicicletas cor-de-rosa.
Leia Mais ►

Por que "estender" se escreve com "s" e "extensão" com "x"?

Ocorreu o seguinte: palavras como "destro", "escusar", "esperto" e "estender" no latim clássico eram grafadas com "x": "dextru", "excusare", "expertu" e "extendere".


A entrada delas no português foi, porém, pelo latim vulgar, e nesta variedade elas eram grafadas com "s", que foi preservado na nossa língua.


Processo diferente ocorreu com "extensão" e "explicar": mantiveram o "x" da forma erudita porque entraram na língua portuguesa via latim clássico.
Leia Mais ►

TÔA ou TOA?

Não há acento nas palavras que contêm o encontro "-oa": "boa", "coroa", "enjoa", "moa", "toa" (de "à toa").

E, depois da reforma ortográfica, até as formas "coa" e "coas", do verbo "coar", que antes eram acentuadas, perderam o acento.
Leia Mais ►

PLATÃO, PLATEIA E PRAÇA

O nome Platão é um apelido.



O verdadeiro nome do sábio grego era Arístocles.



Por ter os ombros largos, Arístocles foi apelidado de Platão, palavra derivada do grego “platys", cujo significado é “largo”.



Em português, temos algumas palavras derivadas de “platys”.



Duas dessas são plateia e praça, que significam, lato sensu, “espaço largo”.
Leia Mais ►

ORTOGRAFIA DO ACORDO: MAOÍSTA ou MAOISTA?

Com a nova ortografia, o “i” e o “u” tônicos precedidos de ditongo, em palavras paroxítonas, perderam o acento.


Significa que não há mais acento em palavras como baiuca, cauila, feiura, maoismo, maoista, Sauipe e taoismo.
Leia Mais ►

Desafio

Qual o correto?


a) É uma hora e quarenta minutos.

b) São uma hora e quarenta minutos.


Resposta


O verbo "ser", ao indicar horas, concorda com o primeiro numeral que vem depois dele.


Portanto, a resposta certa está na letra "a", É uma hora e quarenta minutos.
<
Leia Mais ►

INCLUE ou INCLUI?

Os verbos terminados em “-uir” não têm a terminação “-ue”.

A terceira pessoa do singular do presente do indicativo desses verbos termina em “-ui”: ele atribui, ele distribui, ele contribui, ele possui, ele inclui.
Leia Mais ►

CONCORDÂNCIA: "EM QUE PESE"

A locução "em que pese" tem duas possibilidades de uso:

1. Quando faz referência a coisas, o verbo "pesar" concorda com a coisa referida:


Em que pesem seus bons argumentos, mantenho meu ponto de vista.


Os grandes projetos de Suape, em que pesem todos os efeitos que terão sobre nossa economia, trazem um risco social e ambiental.


2. Quando faz referência a pessoas, o verbo "pesar" rege a preposição "a" e fica invariável:

Em que pese aos radicais, o governo não fará loucuras.

Em que pese ao árbitro incompetente, nosso time venceu fácil.
Leia Mais ►

Cada R$ 100 em compras VALE ou VALEM um celular?

Nesse tipo de construção, o verbo não concorda com a palavra "cada", e sim com a expressão que se segue a ela.


Por isso, "Cada R$ 100 em compras VALEM um celular".
Leia Mais ►

AS DUAS MILHÕES DE PESSOAS ou OS DOIS MILHÕES DE PESSOAS?

"Milhão" é substantivo masculino. Em razão disso, artigos, numerais e pronomes concordam em gênero e número com ele. Observe e assimile pelos exemplos:


"O 1,9 milhão de espectadores..."

"Os cinco milhões de reais..."
"Meu 1,5 milhão de dólares..."
"A vacinação do 1,5 milhão de recifenses..."
"Os cem milhões de estrelas..."
"Os cinco milhões de mulheres..."
"Os dois milhões de pessoas..."


Viu? Antes do substantivo "milhão" – o, os, meu, do, os, os, os –, tudo masculino e concordando em número com ele.
Leia Mais ►

ORTOGRAFIA DO ACORDO: VAI-VEM ou VAIVÉM?

Depois da reforma, há estas duas opções de grafia: a primeira é “vaivém”, junto e com acento; a segunda é “vai e vem”, sem hífen nem acento.

Antes da reforma, no caso da segunda opção, grafava-se “vai-e-vem”, mas ela perdeu o hífen porque o acordo tirou o hífen das palavras com elemento de ligação.


Estão no mesmo caso, por exemplo, “disse me disse”, “lua de mel”, “mão de obra”, “meio de campo” e “pé de moleque” (bolo, doce).

Olho vivo, pois há exceções! Ei-las:



a) água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia (as economias de uma pessoa), ao deus-dará e à queima-roupa;


b) os compostos entre cujos elementos há apóstrofo, como cobra-d’água, caixa-d’água, mestre-d’armas, mãe-d’água e olho-d’água;


c) os nomes de espécies botânicas e zoológicas, como andorinha-do-mar, bem-te-vi, cana-de-açúcar, coco-da-baía, dente-de-leão, feijão-carioca, feijão-verde, joão-de-barro, limão-taiti e mamão-havaí;


d) os adjetivos pátrios derivados de topônimos compostos, como cruzeirense-do-sul, florentino-do-piauí e mato-grossense-do-sul.
Leia Mais ►

DESMISTIFICAR x DESMITIFICAR

Palavras parônimas são aquelas parecidas na grafia, mas diferentes no significado.

Um exemplo é ratificar (confirmar) e retificar (corrigir).

Essas palavras geralmente causam muitas confusões, principalmente para os "desatentos", que, se tiverem vontade, consertarão seus equívocos com a leitura de boas obras e consultas a dicionários.

Há, porém, parônimas que exigem, além de consulta ao pai dos burros, ou melhor, ao "pai dos inteligentes", um esforço intelectual para "matar a charada".

Essas palavras têm forte semelhança semântica e em algumas ocasiões só o contexto define a forma correta.

Faz parte deste grupo a dupla "desmitificar" e "desmistificar".

Quer ver? Encontramos na internet a seguinte notícia: "Campanha quer desmistificar a psoríase".

Não seria "desmitificar"?

Vamos ver o que significa cada uma delas:

DESMISTIFICAR provém de "mistificar" e significa "acabar com o logro, desfazer a farsa, desmascarar".

DESMITIFICAR provém de "mito" e significa "desfazer o mito, tirar o caráter de mito".

Já dá para dizer qual é o correto?

Ainda não.

Então, vamos atrás de mais dados: na origem de "desmistificar" está o substantivo "mistificação", que é burla, logro, engano intencional, engodo, falsidade, e na origem de "desmitificar" está "mito", ou seja, imagem exagerada de algo ou de alguém aceita pela sociedade ou aquilo que é inacreditável, irreal, fantasioso, utópico.

E agora, você já tem alguma certeza?

É "desmistificar" ou "desmitificar" a psoríase? Vamos ajudá-lo: há alguma mistificação, isto é, uma burla, um engano intencional, em torno da psoríase?


Entendemos que não.

No nosso entendimento, há crenças populares (a psoríase é contagiosa, a psoríase não tem controle...).

E o que são crenças populares?

São mitos.

Bingo!

Matamos a charada: "Campanha quer desmitificar a psoríase".

Há casos mais complicados: "É preciso "desmistificar" ou "desmitificar" o ex-presidente Lula".

Depende do contexto: se o autor acha que Lula é um farsa, "É preciso desmistificar o ex-presidente Lula"; se ele acha que Lula é um mito, uma pessoa com virtudes exageradas, "É preciso desmitificar o ex-presidente Lula".

Este último caso nos deixa a lição de que, na língua, o contexto tem muita importância e muitas vezes é essencial para esclarecer o sentido dos enunciados.
Leia Mais ►

ORTOGRAFIA DO ACORDO: ESPANHOIS ou ESPANHÓIS?

O fim do acento nos ditongos abertos "ei" e "oi" foi apenas em palavras paroxítonas não terminadas em "r", como “Coreia”, “estreia” e “joia”.

Nas oxítonas, esse acento está conservado: “constrói”, “destrói”, “herói”, “anéis”, “pastéis”, “espanhóis”.
-->
Leia Mais ►

Dois-pontos: inicial maiúscula ou minúscula?

As citações depois de dois-pontos começam com inicial maiúscula. Exemplo: E Marcela continuou a relatar o passeio: "E lá estávamos no Ibirapuera naquela tarde de julho. O sol brilhava tanto..."

Não sendo uma citação, a inicial é minúscula: Estas são as minhas frutas favoritas: abacaxi, manga, melancia, melão e uva.
Leia Mais ►